quinta-feira, 26 de abril de 2012

REVISTA A ESTRELLA - REDATORA ANTONIETA CLOTILDE

ANTONIETA CLOTILDE 
REDATORA DA REVISTA A ESTRELLA

Para Lúcia Miguel Pereira “um dos veículos de emancipação que possibilitou a divulgação dos textos das mulheres, foi a imprensa, e dentro da imprensa, o periodismo feminino”. Antonieta Clotilde, ao longo de quinze anos foi redatora do mensário A Estrella.

A primeira notícia que se tem da revista A Estrella nos é dada pelo tauaense Joaquim Pimenta. É o registro de uma visita de Antonieta Clotilde e Carmem Thaumaturgo à redação da revista "Fortaleza" (1907), "Fomos distinguidos com a gentil visita do interessante mensageiro do pensamento infantil de Baturité: A ESTRELLA, que é competentemente redatoriado pelas senhoritas Antonietta Clotilde e Carmem Thaumaturgo. Agradecemos a honrosa visita, fizemos sinceros votos para que A ESTRELLA deslize sempre sobre uma alcatifa de pétalas de rosas".

Em estudo sobre a revista A Estrella, Otacílio Colares In: Lembrados e Esquecidos (1993:69) assim se reporta: "Seria injustiça se não fizéssemos sobressair a figura por todos os títulos simpática e intelectualmente significativa de Antonieta Clotilde que, como redatora de A Estrella, muito escreveu por injunção de sua responsabilidade editorial, e mesmo por vocação e amor filial. Como sua mãe, Antonieta era eminentemente romântica, quer quando fazia prosa, quer na poesia. Sonetista foi Antonietta Clotilde, mais ainda ao uso do alexandrino, do que é exemplo este pitoresco e nostálgico, 
            CREPUSCULAR 
(À Adalzira Bittencourt )

Triste, suspira a tarde... e morre, lentamente,
Num doce e grande beijo, acariciando a flor...
E eu sinto dentro d’alma uma tristeza ingente,
Sem que a vida me embale áureo sonhar de amor!...

Longe, na igreja, o sino, compassadamente,
Vibra... é o Ângelus... Vibra... Aviva-se o fervor
Neste meu coração nostálgico e descrente
Onde se oculta e esconde a pérola da dor!

Flores morrem no campo... Esvoaçam borboletas
Pelos vergueis em fora... E, além, voando, tristonho,
Um pássaro, veloz, para seu ninho, corre...

Ocultam-se, no vale, as tímidas violetas...
E o coração me diz como se fora em sonho:
- Uma saudade vem e uma esperança morre!"

Curiosamente, pesquisei quem seria Adalzira Bittencourt, e encontrei uma menina-moça paulista, correspondente e colaboradora da revista “A Estrella” (1915), anos depois, ela veio a ser a primeira Mulher a ocupar a Academia Paulista de Letras.

Com raríssimas exceções, a capa da revista A Estrella sempre um soneto da autoria de Francisca Clotilde (F. Clotilde), a qual é considerada sua principal colaboradora.

FRANCISCA CLOTILDE

MARIA STELLA BARBOSA ARAÚJO

Maria Stella Barbosa Araujo, ex aluna de Francisca Clotilde na cidade de Aracati, homenageando a ex mestra na Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno em Fortaleza (1952), falando sobre a grande poeta que ela é, afirma que "Numa revelação de seu patriotismo ardente e o amor que devota à Terra da Luz, a terra que a viu nascer", publicado em 1912, por ocasião das questões rabelistas, e que se intitula:

AVE CEARÁ

Ave, Terra da Luz, Ó pátria estremecida,
Como exulta minha alma a proclamar-te a glória,
Teu nome refugastes inscreve-se na história,
És bela, sem rival, no mundo, engrandecida!

A dor te acrisolou a força enaltecida,
Conquistaste a lutar as palmas da vitória
Hoje és livre e de heróis a fúlgida memória
Jamais se apagará e a fama enobrecida.

O sol abrasa e doura os teus mares que anseiam
Em vagas que se irisam, que também se alteiam,
A beijar com ardor teus alvos areiais.

Ei! Terra querida, sempre avante!
Deus te guie no futuro em ramagem brilhante
Nas delícias do bem, nos júbilos da paz!

Ora, ora! Soneto centenário (1912-2012). Coincidência ou proposital? Vou deixar a resposta a critério do leitor. Se é que alguém, fora esta que cá escreve, vai ler isso aqui. Veremos...
OUTRAS COLABORADORAS EM A ESTRELLA:

ABGAIL SAMPAIO

MARIA SAMPAIO

OUTROS COLABORADORES DE A ESTRELLA:

ARISTÓTELES BEZERRA

Otacílio Colares (1993:79), fazendo uma análise do que foi “A Estrella” o faz de modo saudoso e emocionado: "Nós, na primeira infância, nos habituamos a ter o nome de Francisca Clotilde como o de um nome tutelar. Temos guardados na lembrança, de modo mais vivo e indestrutível, dispostos, bem arrumados, frutos do cuidado de nossa estremecida e sempre lembrada mãe, Izabel dos Santos Colares, exemplares e mais exemplares de A Estrella, da qual, vez que outra, apareciam como colaboradoras, nossas jamais esquecidas irmãs mais velhas, ambas muito jovens, formadas professoras pela Escola Normal do Estado do Ceará, Maria de Lourdes e Edwirges Colares. Daí a juvenil amizade que ia nos prender ao poeta e professor Aristóteles Bezerra, assíduo colaborador de A Estrella".

CARLYLE MARTINS

BENI CARVALHO


REVISTA A ESTRELLA
SAUDAÇÃO À ESTRELLA (Por Rubens Thaumaturgo)
Mais uma fulguração desprende hoje a luminosa “Estrella”, do céu constelado das letras cearenses, e essa fulguração é como a centelha brilhante que representa uma conquista-vitória de imperecível valor.
Nove anos de publicação incessante perfaz hoje a gentil revista A ESTRELLA, produto de uma vontade tenaz, auxiliada pelo valor forte da inteligência robusta de sua distintíssima redatora  Antonietta Clotilde.
Salve, pois, astro de tão meigo dulçor.
Lembro-me bem... Já se passaram nove anos. Foi em 1906 em Baturité, meu berço querido. Duas crianças, pois, naquele tempo eram bem crianças, Antonietta e Carmem Thaumaturgo, idealizavam a fundação de um jornalzinho que fosse o receptáculo  de seus primeiros balbucios literários e arrojo sublime! Concretizavam em fato a idéia genial e profundo amor às letras, publicando em 28 de outubro o primeiro número d’A Estrella manuscrita – uma folha de papel almaço, caprichosamente escrita. Assim viveu algum tempo a querida “Estrella”, gentil, porém obscura, se tão insignificante era a sua tiragem – 20 – se tanto era os exemplares que circulavam. Quanta dedicação se ostentava naqueles lindos e saudosos dias de 1906, no velho, e saudoso Baturité, que vive apenas de tradições e glórias passadas!
Depois, Antonieta, estudiosa, inteligente e obstinada, acompanhando sua ilustre e estimosa Mãe, transferiu-se para o Aracaty, onde continuou só a manter a Estrella, já revestida de forma graciosa, de revista brilhante, mimosa, digna de admiração, e de apreço pelo contexto de escolhidas que encerra em suas páginas onde se encontra e distingue toda a transcendente doçura da alma suavíssima dessa delicada compleição de mulher, que é Antonietta Clotilde.- concretizando em si toda a máscula energia de uma heroína antiga, pela constância obstinada e admirável com que tem sabido manter sue ideal querido de poetisa e escritora, cujo nome já percorre o Brasil com a auréola do triunfo que, de há muito a acompanha.
Nove anos é uma vida... E para um jornal ou revista é um infinito que admira e pasma, especialmente aos que, como eu, sente e sabe o quanto existe de doloroso e martirizante nesta vida de sacrifícios que é a manutenção de uma publicação periódica, simplesmente literária, muito mais no Ceará, terra árida por excelência para tais empreendimentos e onde, contudo as almas vibram sempre em prol das grandes idéias, embora o desânimo tudo empolgue e esmague.
E é por isso que daqui deste Acre longínquo, que se me afigura como um prolongamento desse Ceará saudoso e nunca esquecido, venho também juntar a minha saudação ao concerto de inúmeros cumprimentos que hoje recebe a querida e admirável Estrella, a excelente revista que o espírito superior, fino e cintilante de Antonietta Clotilde - perante a quem me curvo - dirige para bem e glória das letras pátrias.
Salve radiosa “Estrella”! Que o teu fulgor seja incessante, perenal e eterno, são os meus votos, do íntimo do meu coração formulados.
Em nome do “Paladino”, teu coleginha, te venho também saudar.

(Xapury - AC. Rubens Thaumaturgo In: Revista A ESTRELLA. Aracati - Ceará, ed. de novembro de 1915 p. 14 e 15).

2 comentários:

  1. Parabéns pela postagem de informações tão importantes da cultura nordestina brasileira, que mostra cada vez mais, a força que essa gente deu à literatura Nacional!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela postagem de informações tão importantes da cultura nordestina brasileira, que mostra cada vez mais, a força que essa gente deu à literatura Nacional!!

    ResponderExcluir